Energia Eolica

Dezembro 14 2013

O Rio Grande do Norte foi o segundo maior vendedor de energia eólica no leilão A-5, realizado ontem pelo governo federal, com entrega de energia prevista para a partir de 2018. O estado teve 25 projetos eólicos contratados, representando um volume de 684,7 Megawatts (MW),e  só ficou atrás da Bahia, com 41 projetos e 1.000,8MW. 


O desempenho do RN, considerado positivo por analistas, é registrado após participação nula do estado no leilão de energia realizado em novembro, em que não conseguiu  emplacar nenhum projeto de energia eólica. 

“O resultado de hoje (ontem) recupera um pouco do resultado negativo do (leilão) A-3 de novembro e mantém o estado na liderança de MW eólicos contratados nos leilões desde 2009 até hoje”, diz o presidente do Sindicato das Empresas do Setor Energético do RN (SEERN) e do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (Cerne), Jean-Paul Prates. “Ainda somos o estado com mais MW vencedores em leilão, somando tudo”, acrescenta ele. 

A melhora de desempenho do estado neste leilão está relacionada às linhas de transmissão de energia. Os leilões exigem que os parques eólicos tenham garantia de conexão, mas as linhas do estado – que são de responsabilidade da Chesf - estão em implantação e atrasadas. Como os parques que participaram do leilão de novembro terão de entregar energia daqui a três anos, o RN ficou prejudicado na disputa. 

“Neste leilão A-5 (realizado ontem) como há mais tempo para implantar o parque eólico (5 anos ao invés de 3), é certo que o problema das linhas de transmissão estará equacionado. Assim, as empresas puderam participar mais tranquilamente quanto a isso”, disse Prates, que é também ex-secretário de energia do estado.

Recorde

A Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) disse ontem que 2013 foi um ano histórico no volume de contratação de energia eólica no Brasil. Só no leilão de ontem foram contratados 2,3GW de energia eólica, ao preço médio de R$ 109,93. Com esse número, a fonte contabiliza 4,7GW contratados nos três leilões realizados ao longo do ano, “um recorde de desempenho celebrado pelo setor”, segundo a ABEEólica.

Para o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Mauricio Tolmasquim, o sucesso do leilão de ontem pode ser fundamentado em diferentes aspectos. É o caso, por exemplo, da contratação apenas de fontes renováveis, assim como a diversificação de fontes, com a contratação de projetos hídricos, de biomassa e eólico.

Tolmasquim ainda destacou a volta das pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) ao certame. Também havia projetos de energia solar na disputa, mas nenhum foi contratado. “Essa ainda é uma fonte que não está preparada para competir de igual para igual com as demais”, disse Jean-Paul Prates.

A EÓLICA nos estados
Projetos e energia contratada em leilões, por Estado:

Leilão A-5 (realizado ontem)

BA: 41 projetos eólicos (1.000,8MW)
RN: 25 projetos eólicos (684,7MW) 
CE: 10 projetos eólicos (212,6MW) 
PI: 7 projetos eólicos (168MW) 
RS: 10 projetos eólicos (152MW) 
PE: 4 projetos eólicos (120MW)

*Ranking de contratação de energia eólica nos leilões federais, por Estado (2009-2013) - MW

RN 3318,3 
BA 3245,2 
RS 1723,8 
CE 1762,9 
MA 903,6 
PE 509,7 
PI 259,2 
SE 30 

*Não considera Proinfa (antes de 2003)
Fonte: Cerne


fonte:http://tribunadonorte.com.br/

publicado por adm às 20:16

pesquisar
 
links