Energia Eolica

Setembro 29 2010

Os fabricantes de carros eléctricos estão a planear dar uma segunda vida às baterias antigas, vendendo-as aos promotores de parques eólicos para o possível armazenamento de energia.

A Nissan está a investigar a utilização de baterias de carros eléctricos usadas por empresas de energias renováveis, que poderia usar esta tecnologia para fazer face às intermitências deste tipo de energia. No final do ano passado, a Nissan tinha lançado a iniciativa 4R - Reutilizar, revender, reproduzir e reciclar, com a japonesa Sumitomo Corporation, para as baterias usadas.

A ideia era perceber que tipo de segunda vida poderia ser dado às baterias no sector das energias renováveis.

O desempenho das baterias usados pelos carros eléctricos deteriora-se com o tempo, mas a Nissan espera que as células de lítio-íon que prevê utilizar, aumentem a sua capacidade residual até 80 por cento, mesmo depois de já não serem úteis para os veículos eléctricos. A utilização das baterias em parques eólicos é uma possibilidade, mas a Nissan ainda não terá efectuado contactos formais com empresas deste sector.

Mas este tipo de estudo não está apenas a ser desenvolvido pela Nissan. A Liberty Electric Cars, que planeia produzir o primeiro Range Rover eléctrico do mundo, está já a discutir com alguns dos principais players mundiais do mercado eólico, como EDF Energy, Scottish Power e Eon, a possível reutilização de baterias usadas.

Os resultados destas negociações deverão ser conhecidos no final do ano. A empresa também está a prever vender as baterias a leasing aos consumidores, quando o seu desempenho começa a deteriorar-se, a cerca de um quarto do preço de uma nova.

fonte:ambienteonline

publicado por adm às 22:47

Setembro 23 2010

 

O parque de Thanet, situado na costa de Kent no sul de Inglaterra, tem 100 turbinas capazes de produzir 300 megawatts.

Segundo o jornal britânico "The Guardian", este parque vai produzir electricidade suficiente para fornecer mais de 200 mil habitações por ano. Será o maior parque "offshore" do mundo, pelo menos até à inauguração do parque de London Array, que deverá ter 340 turbinas eólicas. 

A construção do parque de Thanet começou há dois anos e envolveu um investimento de 780 milhões de libras, cerca de 914 milhões de euros. As turbinas têm uma altura de 115 metros e estão espalhadas por uma área de 35 quilómetros quadrados.

"O Reino Unido está determinado a aumentar a percentagem de produção de energia própria. Isso vai proteger-nos dos choques que têm ocorrido nos mercados petrolíferos e do gás", afirmou o secretário da energia britânico Chris Hume citado pela Sky News.

A RenewableUK, entidade que gere a indústria de energia eólica, estima que uma turbina eólica no Reino Unido gera 50% mais electricidade do que a mesma turbina na Alemanha devido a condições climatéricas mais favoráveis.

No entanto, destaca o "The Guardian", a Alemanha tem actualmente 21.315 turbinas eólicas, enquanto o Reino Unido tem três mil.

fonte:jornaldenegocios

publicado por adm às 22:10

Setembro 14 2010

A turbina gera energia limpa mesmo sem a força dos ventos

 

A empresa americana Hybrid Turbines desenvolveu uma turbina eólica que permite que hélices produzam energia mesmo quando o vento não está a favor. A SmartGen, como foi chamada, utiliza o biogás para aumentar o desempenho de torres eólicas.

A energia eólica funciona a partir da força dos ventos. Uma enorme hélice gira e conecta-se a um gerador produtor de eletricidade. A tecnologia desenvolvida pela empresa assumiria o papel do vento nos dias em que ele não actuasse com tanta força.

 

Como funciona

O processo funcionaria da seguinte forma: a turbina é composta por gás híbrido e atua girando um motor com ar comprimido localizado na base da torre eólica. Este motor é movido a gás natural ou biogás e pode ser instalado em torres que já estão em funcionamento, aumentando seu potencial.

 

 

 

Naturalmente, a quantidade de energia produzida por uma turbina varia de acordo com o tamanho de suas hélices. Segundo a empresa, cada torre gera apenas 30% de energia se comparado ao tempo de funcionamento. SmartGen iria aproveitar o tempo ocioso e transformá-lo em mais energia.

A empresa ainda notou que o ar comprimido utilizado no processo é muito frio, o que preveniria possíveis incêndios, e eficiente quando usado em combinação com o motor. A companhia estuda agora a ampliação da produção da tecnologia, que poderia substituir os combustíveis fósseis na tarefa de aumentar a produção de outras empresas.

"Se uma empresa utiliza um biocombustível, o sistema SmartGen será 100% renovável”, afirma o presidente da empresa no site do produto. “A eletricidade produzida pela turbina é duas vezes mais eficiente e limpa do que a resultante da queima de carvão”, completa.

A empresa não informou sobre como é feito o processo de instalação da turbina ou sobre a comercialização do produto.

fonte:ecodesenvolvimento

publicado por adm às 21:11

Setembro 14 2010

A Electricidade dos Açores (EDA) vai substituir o parque eólico de Lomba dos Frades por um novo investimento noutra localidade do Faial, no arquipélago açoriano. A infra-estrutura actual, que representa um investimento de seis milhões de euros, foi alvo de críticas devido à próximidade de habitações.

Desta forma, o novo parque eólico será erguido na freguesia do Salão, aproveitando a capacidade de produção instalada, composta por seis aerogeradores de 300 kW cada. O novo investimento vai produzir um quinto da energia necessária na ilha do Faial.

Devido aos protestos, o parque eólico da Lomba dos Frades tinha que ser desligado, diariamente, entre as 02h e as 07h, situação que não se vai verificar na nova localização. A empresa adiantou que a paragem forçada na produção do parque impedia que a EDA pudesse explorar toda a capacidade de produção instalada.

fonte:ambienteonline

publicado por adm às 20:59

Setembro 13 2010

Composto por 100 turbinas capazes de produzir suficiente energia eléctrica para abastecer 200 000 lares o “Thanet” vai ser inaugurado na próxima semana.

 

Entrará em funcionamento na próxima semana aquele que é o maior parque eólico em alto mar do mundo. O “Thanet”localizado a 12 Km de Foreness point (Reino Unido) é composto por 100 turbinas que produzirão 300 MW de electricidade, abastecendo 200 000 lares.

Operada pela companhia de electricidade sueca Vattenfall, esta infraestrutura é maior que parque eólico de "Kentish Flats", localizado não muito longe, mas parecerá diminuta quando entrar em funcionamento o "London Array", que será composto por 340 turbinas.

Estes empreendimentos fazem parte da estratégia do Reino Unido aproveitar o potencial da energia eólica enquanto fonte de energia limpa, que actualmente é gerada sobretudo a partir de energia hídrica.

fonte:naturlink

publicado por adm às 21:26

Setembro 11 2010

A produção de energia eólica no concelho de Vila do Bispo vai ser reforçada, mas o número de aerogeradores existente irá diminuir. Os equipamentos actualmente em funcionamento serão substituídos por outros mais modernos e com maior eficiência no aproveitamento do vento.

 

Está em causa o designado projecto de ‘repowering do Parque de Lagoa Funda’, que já obteve luz verde do Governo, embora de forma condicionada em relação às incidências ambientais. O actual parque é composto por 18 aerogeradores, com 500 kW de potência unitária. O projecto prevê que passem a existir apenas seis aerogeradores, mas de maior potência unitária (2 MW). Assim , a estimativa é de que a produção média anual aumente em 21,65 GWh.

Segundo a decisão do secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, as incidências negativas – as mais relevantes ocorrerão na fase de construção e desactivação – "são susceptíveis de minimização". Em relação à avifauna, poderá mesmo verificar-se "uma diminuição" das incidências.

Além deste projecto, está em fase de Avaliação de Impacte Ambiental o Parque Eólico da Raposeira, que prevê a instalação de três aerogeradores. As torres terão 80 metros de altura e serão instaladas a cinco quilómetros de Vila do Bispo, numa zona que conta com cerca de 3100 horas de vento por ano.

fonte:cmjornal

publicado por adm às 16:25

Setembro 08 2010

A sueca Ikea comprou à espanhola Gamesa seis parques eólicos em localidades alemãs, no âmbito de um programa de investimento em energias renováveis.

 

Os parques, que têm uma potência instalada de 45 megawatts (MW), situam-se em quatro localidades alemãs, na região Oeste do país, noticiou hoje o jornal espanhol Cinco Dias, citando um comunicado da empresa espanhola, que não divulgou o valor do negócio.

Com esta aquisição, o grupo sueco dá mais um passo na sua recente aposta nas energias renováveis. A empresa já tem em curso em diferentes lojas (Brooklyn, nos Estados Unidos, Gante, na Bélgica, e Rostock, na Alemanha) projectos-piloto de produção de energia solar (fotovoltaica).

Recentemente o grupo sueco investiu dois milhões de euros na instalação de painéis fotovoltaicos na loja de Sevilha.

O objectivo é que em 2015 pelo menos 150 lojas Ikea tenham instalado sistemas de produção fotovoltaica.

Outras grandes empresas como as norte-americanas Google e Wal-Mart também iniciaram investimentos em energias renováveis, nomeadamente nas eólicas.

fonte:economia.publico

publicado por adm às 23:16

Setembro 08 2010

Certamente uma inspiração nos primeiros navios que galgavam os oceanos a descobrir numas terras.

Apesar da junção entre barcos e ventos não ser uma ideia propriamente nova – afinal, o vento foi o elemento principal para levar as caravelas portuguesas aos sete cantos do mundo -, a especialista mundial em energia eólica Enercon GmbH conseguiu inovar. A empresa desenvolveu o primeiro navio de carga do mundo com os motores movidos parcialmente a energia eólica.


Durante a sua viagem inaugural, que teve início em Emden (Alemanha), o E-Ship 1 passou pelo Porto de Leixões e prosseguiu a sua rota de demonstração. De acordo com a empresa, os principais motivos para o desenvolvimento desta tecnologia relacionam-se com «o aumento da eficiência energética no envio das turbinas eólicas da marca para o estrangeiro, mas também com a demonstração das vantagens da tecnologia de turbinas eólicas da Enercon numa área de aplicação distinta».


Em termos técnicos, o navio foi especialmente desenhado para reduzir, entre 30 e 40 por cento, as emissões de CO2 e o consumo de combustível fóssil, quando comparado com um navio de carga tradicional, de porte idêntico. Através de quatro rotores eólicos de navegação, de forma cilíndrica, o veículo consegue manter um sistema secundário de propulsão, com recurso ao vento, que ajuda o motor a diesel nas deslocações do navio. «Com ventos favoráveis, os quatro cilindros podem substituir a energia convencial diesel na quase totalidade», sublinha ainda a Enercon. Não obstante, a empresa preferiu não comentar ao Ambiente Online qual o investimento feito no E-Ship 1 e no desenvolvimento tecnológico associado.

fonte:ambienteonline

publicado por adm às 23:06

Setembro 02 2010

 

O primeiro navio de carga do Mundo movido parcialmente a energia eólica esteve esta quinta-feira no Porto de Leixões, na sua estreia em Portugal, disse à agência Lusa fonte da Administração dos Portos do Douro e Leixões (APDL).

De acordo com a fonte, a escala do «E-Ship 1» durou cerca de nove horas, tendo atraído a curiosidade de muitos transeuntes, pelo aspecto original do cargueiro, com quatro grandes tubos verticais nas extremidades.

As quatro torres cilíndricas de 27 metros de altura por quatro metros de diâmetro que emergem do convés são «rotores eólicos capazes de recolher a energia do vento para auxiliar a propulsão a diesel do navio, sem interferir com as operações de carga e descarga, ao contrário dos mastros e velas», explicou a fonte.

 

Os rotores permitem reduzir as emissões de dióxido de carbono e de consumo de combustível fóssil «em cerca de 30 a 40 por cento do que habitualmente registam os navios de igual porte».

O «E-Ship 1» está ainda a realizar a sua viagem inaugural, iniciada a 17 de Agosto no Porto de Emden, Alemanha, transportando essencialmente equipamento eólico da sua proprietária, Enercon GmbH, «o terceiro maior fabricante de turbinas eólicas a nível mundial».

«A escala no Porto de Leixões é não só a primeira em Portugal deste navio, mas também uma das primeiras da sua história», salientou a APDL, congratulando-se com a escolha de Leixões para esta primeira viagem.

fonte:tvi24

publicado por adm às 23:42

Setembro 02 2010

A EDP está a aguardar a licença ambiental para avançar com um novo parque eólico na Polónia. Este projecto consiste num empreendimento de 34 megawatts, que engloba 17 turbinas e deverá estar em funcionamento em 2012, em Tyszowce.

De acordo com a agência Bloomberg, a empresa já desenvolveu estudos com vista a este projecto e terá já reunido com as populações locais no mês passado.

A empresa dirigida por Ana Maria Fernandes prossegue assim com a sua estratégia na Polónia, depois de ter já em funcionamento o parque eólico de Margonin.

fonte:construir

publicado por adm às 09:58

pesquisar
 
links
subscrever feeds