Energia Eolica

Março 02 2011

As 228 turbinas do maior projecto eólico na Austrália estão à venda. Isto porque a Martifer e as restantes entidades promotoras do parque – Epuron e Macquarie Capital Group – resolveram vender o projecto, que representa um investimento de mais de 800 milhões de euros.

Para a Martifer, esta opção de venda insere-se na estratégica empresarial de alienação de projectos, de forma a permitir o desenvolvimento de áreas de negócio prioritárias e, também, a contribuir para a redução da dívida.

A empresa portuguesa divide com a Macquarie 50 por cento do capital deste parque eólico localizado perto de Silverton, num esforço financeira de perto de 200 milhões de euros, para a Martifer. Já a Epuron, terceira empresa do consórcio, detém a outra metade do capital.

fonte_:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 23:37

Março 01 2011

A energia anual gerada pelo complexo é de 1.100 GWh/ano corresponde ao consumo de cerca de 650 mil residências.

São Paulo- A Renova Energia lançou, no município de Guanambi, a 796 KM de Salvador, a pedra fundamental de seu conjunto de parques eólicos comercializados no Leilão de Energia de Reserva - LER realizado em 2009. Na cerimônia estiveram presentes o vice-governador do Estado em exercício, Otto Alencar, a chefe da Casa Civil estadual, Eva Chiavon, o superintendente da Secretaria Estadual de Indústria e Comercio, Paulo Guimarães, os prefeitos de Guanambi, Charles Fernandes, de Caetité, José Barreira e o de Igaporã, Newton Cotrim, entre outras autoridades. O empreendimento eólico é o primeiro em fase de instalação no sudoeste da Bahia.

Durante a solenidade, o vice-governador ressaltou a importância do projeto da Renova para a Bahia e a posição de destaque do Estado na matriz energética brasileira. “A Bahia tem 15% do potencial energético eólico de todo o Brasil. No futuro, o estado pode ser o maior produtor do país”, afirmou Otto Alencar.

Uma vez em operação, os 14 parques da Renova Energia formarão o maior complexo eólico do Brasil. O inicio da operação comercial está previsto para 1º de julho de 2012. Os contratos de compra e venda de energia, formalizados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), têm prazo de 20 anos.

Os parques serão implantados nos municípios de Caetité, Guanambi e Igaporã. O investimento previsto de R$1,17 bilhão atrairá para os municípios outros benefícios. “Além da produção de energia limpa, o investimento realizado certamente aquecerá a economia local. Em relação ao pequeno produtor rural, nosso modelo comercial prevê o arrendamento da terra, o que permite ao mesmo a continuação de suas atividades agropecuárias e sua fixação no campo”, declarou o diretor de Operações e co-presidente da Renova Energia, Renato Amaral.

Inicialmente serão instalados 184 aerogeradores, cada uma com 80 metros de altura (o equivalente a um prédio com mais de 27 andares) e pás de 42 metros de extensão. A energia anual gerada pelo complexo - que é de 1.100 GWh/ano (Giga-watt-hora por ano) - corresponde ao consumo de cerca de 650 mil residências. A estimativa é de que sejam gerados 2000 empregos diretos e indiretos durante o período de pico das obras.

Os aerogeradores foram adquiridos pela GE e têm potência instalada 1,6 MW cada. As obras civis ficarão a cargo do consórcio Queiroz Galvão-Mercurius, e a montagem das linhas de transmissão será realizada pela ABB. A energia será escoada por uma Instalação Compartilhada de Geração – ICG a ser erguida pela Chesf. Em média, os projetos têm fator de capacidade da ordem de 48%, mas alguns chegam a ultrapassar 50%, número elevado para o setor.

Perfil-A Renova Energia é uma companhia de geração de energia por fontes renováveis com foco em parques eólicos e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). Em junho de 2010 a empresa fez seu IPO (Oferta Pública Inicial, na sigla em inglês) e ingressou no nível II de governança corporativa diferenciada da BM&F BOVESPA onde atua sob o código RNEW11. A Renova é a única empresa de energia alternativa do Brasil a negociar ações no mercado de capitais.

Fundada em 2001, a Renova foi a maior vendedora do primeiro leilão de energia eólica do Brasil realizado em dezembro de 2009. Ocasião em que a empresa comercializou 270MW de capacidade instalada, por intermédio de 14 parques eólicos que começam a ser construídos em fevereiro de 2011 no estado da Bahia. No segundo Leilão de Energia de Reserva, realizado em agosto de 2010, a Renova vendeu 153MW de capacidade instalada, através de 6 parques eólicos.

A empresa atua de forma integrada na prospecção, desenvolvimento, implementação e operação de empreendimentos de geração de energia renovável. Nestes 10 anos de atuação, investiu na formação de uma equipe de profissionais multidisciplinar, altamente capacitada, composta por profissionais com mais de 20 anos de experiência no setor de energia elétrica, provenientes de órgãos ambientais, empresas de energia e de engenharia.

A Renova está credenciada para atuar no mercado de créditos de carbono, pois a geração de energia por meio de parques eólicos e PCHs ocorre de forma limpa e reduz a dependência de consumo de combustíveis fósseis. Essa forma de produção de energia elétrica é elegível a emissão de créditos de carbono e a empresa pretende transformar a comercialização desses créditos em fonte de receita adicional.

Em agosto de 2008 a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) concedeu o registro de companhia aberta a Renova, que adota padrões de governança corporativa alinhados às melhores práticas do mercado brasileiro e internacional. Entre os sócios da empresa estão os Fundos InfraBrasil e FIP Ambiental, administrados de forma independente pelo Banco Santander, o Banco Santander e os dois fundadores da empresa Ricardo Delneri e Renato Amaral. |www.renovaenergia.com.br .

 

fonte:revistafator

publicado por adm às 22:26

pesquisar
 
links
subscrever feeds