Energia Eolica

Julho 23 2013

O presidente do consórcio Eólicas de Portugal (ENEOP), responsável pela instalação de 1.200 Mega Watt (MW) de potência eólica, admitiu hoje que existem condições para atribuição de mais de 500 MW para produção daquela renovável em Portugal.

Segundo Aníbal Fernandes, a análise ao mercado da electricidade em Portugal, numa altura em que o consórcio ENEOP já instalou 1.000 MW da licença de que dispõe, permite concluir que "há espaço" para mais cerca de 500 MW de potência eólica em terra.

Questionado pela Lusa, o responsável admitiu que o consórcio ENEOP estaria disposto a analisar esse cenário, caso venha a ser equacionado pelo Governo. Até porque, além da "necessidade" que identifica, as fábricas daquele cluster eólico instaladas em Portugal, que empregam directamente cerca de 1.850 pessoas, "têm capacidade para dar resposta" a essa eventual procura.

"Estou convencido que os accionistas [da ENEOP] olhariam para isto com muita satisfação", admitiu Aníbal Fernandes, à margem da visita do Comissário Europeu da Energia, Günther Oettinger, às fábricas do consórcio em Viana do Castelo.

Em Abril de 2013, segundo números da Direcção-Geral de Energia e Geologia, estavam licenciados em Portugal 4.460 MW de potência eólica, em 224 parques de várias concessões.

O presidente da ENEOP recorda que, há dois anos, que a atribuição de novos pontos de ligação de potência renovável "está congelada".

No entanto, para que todo o projecto industrial que aquele cluster instalou em Portugal desde 2005 seja sustentável, será necessário garantir a componente da procura interna a partir de 2014, ou seja para 40% da produção actual.

"O facto de não haver uma política clara de continuidade na instalação de energia eólica em Portugal é mais um entrave, como aqueles que já superamos. Não estou a dizer que os postos de trabalho estão em risco, estou a dizer é que não ajuda nada a manter os postos de trabalho", sublinhou.

"O projecto em si poderá estar comprometido. Estamos é determinados a encontrar todas as soluções para, através da exportação, superar esta falha interna", disse ainda Aníbal Fernandes.

Em Portugal, o consórcio ENEOP já investiu 1,3 mil milhões de euros, dos quais 188 milhões em novas unidades industriais, lideradas pela alemã Enercon, um dos gigantes mundiais na produção de aerogeradores.

Aquele consórcio junta ainda empresas como a EDP e a Finerge, tendo criado mais de 5.000 empregos indirectos e um total de 19 fábricas.

Da licença atribuída em 2005, cerca de 1.000 MW já estão ligados à rede eléctrica nacional, em 41 parques eólicos.

Só em Viana do Castelo, representa actualmente cerca de 1.400 postos de trabalho nas cinco fábricas da Enercon.

Por este volume de investimento, o consórcio ENEOP recebe 70 euros por cada Mega Watt hora produzido nos respectivos parques, a mais baixa tarifa da Europa, sublinha Aníbal Fernandes.

Os restantes 200 MW a instalar até final de 2014 em todo o país representam um investimento de 350 milhões de euros, cujo financiamento ainda não está totalmente garantido neste momento.

"Esta é a maneira mais competitiva, tirando as grandes hídricas que estão amortizadas, de fazer energia eléctrica em Portugal. É um projecto sustentável, não há motivo racional nenhum para que não seja apoiado com a abertura de novos concursos de potência", rematou.

fonte:Lusa/SOL

publicado por adm às 23:05

Julho 14 2013

No final de junho, a GE inaugurou Centro de Serviços para energia eólica na cidade de Guanambi (BA). Segundo a empresa, trata-se um investimento estratégico, que visa ampliar a flexibilidade e eficiência no atendimento de clientes de um mercado que deve crescer cerca de 40% entre 2012 e 2016. Os 100 técnicos que atuarão na unidade serão responsáveis por monitorar operações e clima, realizar a manutenção nos parques eólicos e manter um estoque de peças essenciais para o funcionamento das turbinas.

Até o final do ano, deve ser inaugurado um segundo centro de serviços, desta vez no Rio Grande do Norte. Nessas iniciativas, a GE conta com plano de investimento de US$ 1,5 milhão. “A criação dos Centros de Serviços é prioridade em nossa estratégia. Nossa velocidade de resposta multiplica com a criação desses centros, o que reforça nossa parceria com os clientes, que terão novos canais para contato”, informa Jean Claude Robert, líder de energias renováveis da GE Power & Water para a América Latina.

A GE conta atualmente com 450 turbinas eólicas instaladas no Brasil. Até o fim de 2013, deve ultrapassar a marca de mil turbinas instaladas em solo nacional, totalizando 1GW de capacidade instalada. A marca garantirá que a companhia torne-se a principal fornecedora para o país. “A GE quer cada vez mais estreitar a parceria com o Brasil para fornecer tecnologia e os serviços necessários, visando garantir oportunidades significativas no mercado de energia eólica do País”, reforça Robert.

Outra ação da empresa será implementada em parceria com escolas técnicas e tem como objetivo capacitar engenheiros para atuar na área de energia eólica. “Com tecnologias que se desenvolvem constantemente e o crescimento da importância da energia eólica na matriz energética do país, a GE irá gerar oportunidades de aprendizado nos Centros de Serviços, além de doar equipamentos para escolas técnicas” explica Aldo Vacaflores, líder de Serviços da GE Power & Water para o Brasil.


Fonte: Usinagem Brasil

publicado por adm às 12:39
Tags:

Julho 10 2013

A EDP Renováveis (EDPR) aumentou a produção de energia eólica no primeiro semestre de 2013 em 8% face ao período homólogo, para 10,7 terawatts-hora (TWh), impulsionado sobretudo pelo crescimento das operações na Europa.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) sobre os dados operacionais até Junho, a EDPR diz que “o crescimento anual da produção reflecte o aumento da capacidade instalada nos últimos 12 meses e o forte recurso eólico na Europa”.

Este desempenho, nota a EDPR, foi sustentado “no aumento da produção em Portugal (+26%) e em Espanha (+18%)”. A produção no resto da Europa aumentou 15% na comparação homóloga.

Durante os primeiros seis meses do ano, a produção de electricidade nos Estados Unidos permaneceu estável em 5,6 TWh (+0,2%), com o segundo trimestre “a compensar o menor recurso eólico registado” nos primeiros três meses. No Brasil, por sua vez, a produção cresceu 5%.
 fonte:http://www.publico.pt/economia

publicado por adm às 23:13

Julho 08 2013

No final de junho, a GE inaugurou Centro de Serviços para energia eólica na cidade de Guanambi (BA). Segundo a empresa, trata-se um investimento estratégico, que visa ampliar a flexibilidade e eficiência no atendimento de clientes de um mercado que deve crescer cerca de 40% entre 2012 e 2016. Os 100 técnicos que atuarão na unidade serão responsáveis por monitorar operações e clima, realizar a manutenção nos parques eólicos e manter um estoque de peças essenciais para o funcionamento das turbinas.

Até o final do ano, deve ser inaugurado um segundo centro de serviços, desta vez no Rio Grande do Norte. Nessas iniciativas, a GE conta com plano de investimento de US$ 1,5 milhão. “A criação dos Centros de Serviços é prioridade em nossa estratégia. Nossa velocidade de resposta multiplica com a criação desses centros, o que reforça nossa parceria com os clientes, que terão novos canais para contato”, informa Jean Claude Robert, líder de energias renováveis da GE Power & Water para a América Latina.

A GE conta atualmente com 450 turbinas eólicas instaladas no Brasil. Até o fim de 2013, deve ultrapassar a marca de mil turbinas instaladas em solo nacional, totalizando 1GW de capacidade instalada. A marca garantirá que a companhia torne-se a principal fornecedora para o país. “A GE quer cada vez mais estreitar a parceria com o Brasil para fornecer tecnologia e os serviços necessários, visando garantir oportunidades significativas no mercado de energia eólica do País”, reforça Robert.

Outra ação da empresa será implementada em parceria com escolas técnicas e tem como objetivo capacitar engenheiros para atuar na área de energia eólica. “Com tecnologias que se desenvolvem constantemente e o crescimento da importância da energia eólica na matriz energética do país, a GE irá gerar oportunidades de aprendizado nos Centros de Serviços, além de doar equipamentos para escolas técnicas” explica Aldo Vacaflores, líder de Serviços da GE Power & Water para o Brasil.

fonte:http://www.usinagem-brasil.com.br/

publicado por adm às 20:01
Tags:

pesquisar
 
links
subscrever feeds