Energia Eolica

Agosto 09 2011

Os cardumes de peixe ajudaram uma equipa de engenheiros a maximizar a produção de energia eólica. Este novo tipo de parque eólico contém turbinas numa disposição inovadora que segundo os cientistas, produzirá mais energia por área do que os parques tradicionais.

Os aerogeradores tradicionais quando estão inseridos num parque eólico têm que estar distantes o suficiente das turbinas vizinhas para evitar a turbulência gerada. Esta limitação condiciona a quantidade de energia produzida por área da instalação.

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) está a testar, no deserto da Califórnia, um novo tipo de parques eólicos que tenta contornar o problema. Os resultados do estudo foram publicados na revista científica Journal of Renewable and Sustainable Energy.

Estes parques em vez das turbinas tradicionais, apresentam turbinas de eixo vertical em contra-rotação, que se assemelham a batedeiras. Apesar de individualmente serem menos eficientes que os aerogeradores tradicionais são capazes de utilizar ventos turbulentos oriundos de diferentes direcções.

Outra grande inovação relativamente aos parques eólicos tradicionais é a forma como estas turbinas estão colocadas no terreno. Estão dispostas em pares, com pouco espaço entre si, de forma a encaminharem o ar para os seus vizinhos.

Para além dos aerogeradores vizinhos beneficiarem, ocorre também um efeito de afunilamento importante. Através dos testes realizados verificou-se que uma turbina que está localizada cinco linhas para o interior ainda gera 95% da energia comparativamente com uma que está na primeira fila.

Esta disposição foi estabelecida tendo por base a dinâmica de fluidos de um cardume de peixe. De acordo com Robert Whittlesey, engenheiro aeronáutico do Caltech, “os peixes tentam alinhar-se para optimizar a sua propulsão, o que pode ser adaptado numa matriz com turbinas para maximizar a extracção de energia.”

John Dabiri, autor do estudo, refere: “A conexão entre os cardumes de peixe e os parques eólicos pode não ser imediata, mas é de facto uma inferência lógica da física de fluxos.”

Um parque eólico com este desenho compacto pode produzir 10 vezes mais energia do que os parques eólicos convencionais. Mas as vantagens não terminam aqui. Estas turbinas são “bastante mais robustas e provavelmente mais baratas. Apesar de existirem alguns problemas por resolver merecem alguma atenção”, comentou Charles Meneveau, da Universidade de Johns Hopkins, investigador que não esteve envolvido no estudo.

A grande questão agora é se o desenho funciona num parque eólico a grande escala. O autor do estudo refere que foram recolhidos “dados do vento numa matriz com 18 turbinas. Os resultados sugerem que as taxas de fluxo de vento necessárias para um melhor desempenho, relativamente às turbinas em hélice foram, na generalidade, atingidas.”

Fonte:http://naturlink.sapo.pt/

publicado por adm às 22:21

pesquisar
 
links