Energia Eolica

Novembro 21 2010

Eléctrica ganhou 30 megawatts em Aragão mas só três na Galiza, onde foi uma das derrotadas.

Três semanas depois de ter perdido o concurso eólico da Catalunha, não conseguindo vencer nenhum dos sete lotes que estavam em disputa, a EDP Renováveis foi ontem um dos grandes derrotados do concurso de 2.325 megawatts (MW) lançado pela Junta da Galiza. Abaixo da eléctrica portuguesa só mesmo a Iberdrola que arrecadou dois MW.

Melhores foram os resultados em Aragão, na região da Catalunha, em que a empresa liderada por Ana Maria Fernandes conquistou um total de 33 MW. Ao que o Diário Económico apurou, a EDP Renováveis poderá investir, a preços de mercado, cerca de 46,2 milhões de euros em Aragão.

fonte:economico

publicado por adm às 00:32

Novembro 11 2010

O primeiro protótipo nacional de eólica offshore vai ser testado na Aguçadoura, no início do próximo ano. O projecto WindFloat, da EDP, tem sido testado num tanque de ondas desde Maio de 2009, e conta com tecnologia da Principle Power. João Maciel, responsável pelo Desenvolvimento Tecnológico da EDP Inovação, anunciou ontem na conferência Energias Renováveis, Energias do Futuro, que decorreu no âmbito da 5ª Expo Energia, que «este local foi seleccionado por ser mais próximo das condições reais de mar profundo, apesar do LNEG ter sugerido uma região do Algarve – onde o mar é mais calmo – para a primeira fase de testes do protótipo».

O WindFloat é uma tecnologia semi submersível, em tudo semelhante a uma plataforma petrolífera com três pilares. Num desses pilares é instalada a torre eólica, com uma turbina de 2MW. Esta tecnologia tem a vantagem de poder ser totalmente montada em terra, e posteriormente rebocada até ao local onde produzirá energia.

Na Aguçadoura os testes poderão durar entre 12 a 24 meses, dependendo das vicissitudes que forem surgindo, explicou João Maciel. O projecto conta com um orçamento na ordem dos 18,4 milhões de euros, como protótipo de demonstração. A fase seguinte, pré-comercial, deverá passar pela instalação de três a cinco torres com turbinas de 5 MW, num custo estimado de 4,3 milhões de euros por MW. A fase comercial prevê a instalação de 25 equipamentos deste género, com turbinas de 5MW, com um custo de cerca de três milhões de euros por MW.

fonte:ambienteonline

publicado por adm às 22:38

Julho 16 2010

Os resultados do primeiro semestre da EDP serão divulgados ao mercado no dia 29.

A EDP continua a apostar no desenvolvimento das energias renováveis. No primeiro semestre do ano, a produção eólica da empresa liderada por António Mexia cresceu 32%, suportado por factores de utilização mais altos (mais um ponto percentual para 29%) e expansão da capacidade (mais 22%).

A produção de energia eólica na Europa cresceu 50%, impulsionada por "factores de utilização mais elevados e pela maior base de capacidade instalada (mais 18%)", pode ler-se no comunicado. Nos Estados Unidos, a produção subiu 20%, no mesmo período em análise, suportada no acréscimo de 18% na capacidade instalada. Em Junho último a EDP tinha em construção 1,2GW (MW EBITDA): 509MW nos Estados Unidos, 328MW em Espanha, 274MW no resto da Europa e 70MW no Brasil. Os resultados da EDP Renováveis serão divulgados a 28 de Julho antes da abertura do mercado.

Para já, a empresa energética informa que nos primeiros seis meses do corrente ano, a capacidade instalada do grupo EDP cresceu 10%, enquanto a electricidade produzida a partir de fontes livres de CO2 aumentou 50%, representando 73% da produção total do grupo EDP.

fonte:http://economico.sapo.pt

publicado por adm às 23:34

Abril 28 2010

A EDP Renováveis e a Vestas Wind Systems (Dinamarca) assinaram hoje um contrato global para o fornecimento de aerogeradores relativos a um máximo de 2,1GW de capacidade eólica.

O que está em causa é um contrato de fornecimento em larga escala de turbinas eólicas, com uma encomenda inicial de 1500MW para fornecimento, instalação e comissionamento em 2011 e 2012. Para o mesmo período de tempo, existe ainda uma opção de encomenda de capacidade adicional até 600MW.

Entre as duas empresas está ainda acordada a flexibilidade de entrega de turbinas na América do Norte, América do Sul e Europa, bem como a «flexibilidade na escolha, para cada projecto, de modelos e classes de turbinas eólicas comercialmente disponíveis, sob aviso prévio».

O contrato prevê ainda um serviço de operação e manutenção durante dois anos, prolongável a cinco ou dez anos, com acordo de assistência técnica subsequente (dependendo do projecto em questão).

Segundo a EDP, «a Vestas destacou-se entre os principais fabricantes de turbinas eólicas, como o concorrente com a oferta de maior valor global, tendo em conta o pipeline de curto prazo da EDPR, assim como as perspectivas de flexibilidade no crescimento e os objectivos estratégicos da empresa».

Através deste contrato, a eléctrica nacional encomenda à Vestas a tecnologia eólica que permite «optimizar os factores de produtividade do seu pipeline e o custo global do activo», possibilitando à EDPR obter uma «vantagem competitiva na indústria de produção de energia eólica».

Este acordo representa ainda o maior contrato para o fornecimento de turbinas anunciado a nível mundial nos últimos dois anos. «A escala e a diversificação geográfica de ambas as empresas permitiram a celebração de um contracto que oferece à EDPR visibilidade na execução dos seus objectivos de crescimento, melhorando ao mesmo tempo a gestão de risco da empresa no que respeita aos diferentes cenários de mercado, regulação e ritmos de crescimento».

A EDPR considera que o sucesso na combinação entre as opções de curto-prazo do seu pipeline, com a flexibilidade na posição de compra de turbinas pós-2010 e o efeito de escala na indústria, foram «factores-chave» para alcançar um acordo de «elevada importância estratégica».

Com mais de quarenta mil turbinas instaladas em 65 países, a Vestas tem quatro fábricas em Espanha e garante que instala uma turbina a cada três horas e que a potência que tem activa chega aos 60 milhões de MW/h por ano.

Fonte:http://revistame.wordpress.com

publicado por adm às 23:23

Abril 13 2010

De acordo com o site SeeNews, a capacidade instalada dos dois parques será de 228 megawatts. O BERD, por sua vez, não revelou o valor do eventual financiamento.

Citando um comunicado da instituição europeia, esta fonte revela que o projecto se situa na região da Dobrogea e compreende os parques de Pestera e de Cernavoda. Por sua vez, o site balkans.com refere que os parques eólicos se encontram numa fase avançada de desenvolvimento, tendo os trabalhos de construção sido iniciados após terem sido obtidas as licenças ambientais e de construção.

publicado por adm às 23:42

pesquisar
 
links
subscrever feeds