Energia Eolica

Setembro 02 2011

 

Só no primeiro semestre, a China acrescentou 8 GW à sua matriz eólica, quase oito vezes a capacidade instalada total do Brasil para geração de energia pelos ventos

Os ventos estão favoráveis para o setor eólico em 2011. Segundo um novo relatório do World Wind Energy Association (WWEA), o mercado de energia eólica cresceu 15% a mais nos seis primeiros meses deste ano em comparação a 2010. Com isso, o setor alcançou em junho a capacidade instalada global de 215 gigawatts (GW) – o equivalente a quase onze usinas Três Gargantas, a maior do mundo, na China.

 

E é justamente o gigante asiático que puxa a locomotiva eólica. Só no primeiro semestre, o país acrescentou mais 8 GW à sua matriz eólica, que hoje representa 43% do mercado mundial. Em Junho, a China contava com 52GW de potência instalada, seguida dos EUA, Alemanha, Espanha e Índia. Juntos, os cinco primeiros países respondem por 74% da capacidade eólica global. Depois, aparecem Itália, França, Reino Unido, Canadá e Portugal.

O relatório também destaca uma série de novos mercados que estão surgindo no mundo. No primeiro semestre, três países foram adicionados à lista dos que estão utilizando a energia eólica, aumentando o número de 83 para 86: Venezuela, Honduras, Etiópia. A República Dominicana, que já fazia parte do grupo, instalou sua primeira usina eólica grande e aumentou sua capacidade de 0,2 megawatts (MW) para 60,2 MW.

A previsão para o segundo semestre também é de crescimento, com introdução de mais 25, 5 mil MW em projetos pelo mundo. A capacidade eólica instalada total é projetada para alcançar 240 GW até o final deste ano – o suficiente para cobrir quase 3% da demanda de eletricidade em todo o mundo.

O Brasil, por sua vez, ocupa apenas o 21º lugar no ranking dos países produtores de energia eólica, com pouco mais de mil megawatts instalados. Mas, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o país tem capacidade de aumentar em sete vezes o seu potencial até 2014.

Na tabela abaixo, você confere os 10 maiores mercados de energia eólica:

 

 Países MW instalados (até 06/2011)
 China           52.800
 EUA           42.432
 Alemanha           27.981
 Espanha           21.150
 Índia           14.550
 Itália             6.200
 França             6.060
Reino Unido              5.707
 Canadá             4.611
 Portugal             3.960

 

fonte:http://exame.abril.com.br/

publicado por adm às 17:16

Junho 29 2011

A Vestas anunciou nesta quarta-feira (29/06) a conclusão de uma pesquisa que resultará no primeiro aerogerador do tipo “stealth” da companhia. A turbina eólica V90, desenvolvida em parceria com a QinetiQ, foi capaz de diminuir em 99% a interferência em radares, segundo as empresas, permitindo sua instalação perto de aeroportos e bases militares. 

Os aerogeradores são fabricados com componentes que absorvem as ondas eletromagnéticas e podem ser projetados em frequência de aviação e marítimas, no caso de instalação de eólicas offshore. As modificações não alteram nem a aparência nem o desempenho das turbinas. 

A companhia estima que existam hoje 20 GW de potencial eólico inaproveitáveis no mundo por causa de preocupações com a interferência em radares.

fonte:http://www.energiahoje.com.br/

publicado por adm às 23:12

Junho 22 2011

A China expandirá sua capacidade instalada de energia eólica no mar para 5 gigawatts (GW) até 2015 e 30GW até 2020, informou hoje a Administração Nacional de Energia do país.

A proposta pública para a segunda rodada de projetos de concessão de energia eólica no mar, com uma capacidade instalada total de 1,5 GW a 2 GW será completada durante o primeiro semestre de 2012, indicou a administração em uma reunião realizada na cidade de Nantong, na Província de Jiangsu, leste do país.

Liu Qi, vice-diretor da administração, apontou que os departamentos relevantes devem reconhecer a importância e a urgência do desenvolvimento de energia eólica no mar.

O país enfrenta frequentemente a falta severa de eletricidade no verão, com sistemas de produção e transmissão incapazes de suprir a crescente demanda.

A China enfrenta uma deficiência de 30GW de eletricidade neste verão, de acordo com os dados do Departamento de Eletricidade da China.

Liu indicou que o país deve acelerar o estabelecimento de uma indústria de energia eólica no mar e que seja totalmente avançada e equipada para promover o desenvolvimento de grande escala.

Em junho de 2010, o projeto de Usina de Energia Eólica Marítima de 100 MW da Ponte do Mar do Leste de Shanghai foi concluído. Atualmente, esse é a única usina de energia eólica em alto-mar em operação fora da Europa.

fonte:http://portuguese.cri.cn/

publicado por adm às 22:23

Junho 15 2011

Apesar das restrições técnicas e ambientais, agentes do sector acreditam que há espaço para crescer.

 

Quem vive na região Oeste do País conhece, talvez da pior forma, o potencial do vento. O temporal de Dezembro de 2009 causou prejuízos de milhões de euros. Mas assim sendo, porque é que o distrito de Santarém produziu no ano passado apenas um terço da electricidade eólica gerada em Viseu, o mais produtivo distrito no que respeita à energia do vento? Desde já porque a potência eólica em Santarém é de apenas 157 megawatts (MW), contra os 813 MW de Viseu. E daí surge nova questão: estaremos a aproveitar este recurso da melhor forma?

fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/

publicado por adm às 23:07

Junho 14 2011

A Enel Green Power reforçou a sua posição no consórcio ENEOP - Eólicas de Portugal. A empresa espanhola passou a deter 40 por cento do cluster eólico de Viana do Castelo, posição idêntica à da EDP, até agora a maior accionista, avança hoje o Diário Económico. Isto porque a Sonae Capital saiu do capital da Térmica Portuguesa, que integra o consórcio.

A Térmica Portuguesa era já detida em 50 por cento pela Enel Green Power. Com esta alteração, a empresa do grupo italiano Enel, consegue uma capacidade adicional instalada de 120 MW na Ventinveste, de projectos eólicos, a somar aos 360 MW detidos pela Finerge, do grupo Endesa, que recentemente passou a ser controlada pela Enel.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 22:45

Junho 11 2011

O Parque Eólico de Monte São Filipe, na Cidade da Praia, com uma potência instalada de 10 «megawatts» (MW), deverá começar a funcionar em agosto, anunciou hoje o diretor-geral da Energia de Cabo Verde.

Segundo Abraão Lopes, as ferramentas essenciais para a montagem do parque no Monte de São Filipe, que representa um investimento de 16 milhões de euros já estão no país, acrescentando que o parque, representará cerca de 25 por cento do total da produção do país.

Abraão Lopes, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Porto da Cidade da Praia para receber os 11 novos aerogeradores, salientou que o parque vai produzir cerca de 110 «gigawatts» (GW) de energia por ano.

"Os aerogeradores vão instalar cerca de 10 «megawatts» (MW) de potência nominal na cidade, o que significa uma composição muito grande em termos de capacidade instalada", referiu, lembrando que o projeto prevê a construção de parques idênticos nas ilhas de São Vicente (6 MW), Sal (8 MW) e Boavista (2,4 MW).

O Parque Eólico a ser instalado na Praia é cofinanciado pelo Governo de Cabo Verde, Electra, InfraCo, Finnfund, BAD e BEI.

O custo do projeto global a ser instalado nas ilhas de Santiago, São Vicente, Sal e Boavista ronda os 63 milhões de euros, e contribuirá, segundo os responsáveis, para uma potência a ser instalada à volta de 28 MW, o que significa uma taxa de penetração das energias renováveis na rede elétrica nacional de mais de 25 por cento.

fonte:http://sicnoticias.sapo.pt/L

publicado por adm às 21:28

Junho 09 2011

O total da potência instalada renovável atingiu 9 784 MW, no final de Março de 2011, de acordo com informação da Direcção Geral de Energia e Geologia. O aumento, relativamente a Fevereiro, verificou-se na potência instalada eólica. 

A produção total de energia eléctrica, a partir de fontes de energias renováveis, decresceu 16 por cento no 1º trimestre de 2011, relativamente a igual período de 2010. Este decréscimo resulta sobretudo do comportamento da componente hídrica, que reduziu 22 por cento neste período, verificando-se, em Março, uma descida mais acentuada (de 34 por cento) relativamente ao mês homólogo do ano anterior do que a registada em Fevereiro. 

A produção eólica, no 1º trimestre de 2011, decresceu nove por cento relativamente a igual período do ano anterior, registando-se, contrariamente ao que se verificou com a produção hídrica, um decréscimo menos acentuado em Março (-4 por cento) relativamente ao mês homólogo do ano anterior, do que o registado em Fevereiro (-18 por cento). 

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 22:27

Junho 07 2011

Washington apresentou uma demanda diante da OMC contra esse programa em dezembro, argumentando que a China o usava para dar subsídios "proibidos pelas regulações da OMC".

 

O ministro do Comércio Exterior americano, Ron Kirk, anunciou nesta terça-feira que a China renunciou a um programa de subsídios de sua indústria eólica denunciado por Washington diante da Organização Mundial do Comércio (OMC).

"A China colocou fim a alguns subsídios para quipes eólicas", indicou o secretário de Comércio Exterior americano Ron Kirk, em comunicado.

"Os Estados Unidos estão contentes com o fato de a China ter encerrado esse programa de subsídios", completou Kirk.

Washington apresentou uma demanda diante da OMC contra esse programa em dezembro, argumentando que a China o usava para dar subsídios "proibidos pelas regulações da OMC", já que as empresas beneficiárias devem "utilizar peças e componentes fabricados na China, antes dos estrangeiros".

Washington afirma que o montante da ajuda fechada no programa varia de 6,7 milhões a 22,5 milhões de dólares por empresa, e que o total "pode alcançar várias centenas de milhões desde 2008".

fonte:http://www.d24am.com

publicado por adm às 23:17

Junho 04 2011

O parque eólico do planalto do Graminhais, na ilha de S. Miguel, Açores, deverá entrar em produção em Setembro deste ano, segundo a garantia do director regional da Energia, José Vieira, durante as comemorações do Dia Mundial do Ambiente. O projecto, que é o maior parque eólico do arquipélago, funcionará com uma potência instalada de nove megawatts (MW).

Com capacidade para garantir cerca de 10 por cento das necessidades de consumo de electricidade da maior ilha açoriana, o parque do Graminhais integra-se no plano de aproveitamento de energias renováveis do arquipélago.

A meta do Governo Regional é reduzir em 75 por cento a dependência de energias de origem fóssil. Daí que, além do novo parque da ilha de São Miguel, estejam também planeadas expansões de potência nos parques eólicos da Terceira, Santa Maria e Graciosa. No Faial, o parque actual será desmatnelado e substituído por uma nova infra-estrutura.

Entre as iniciativas de aproveitamento de energias renováveis está também o projecto ambicioso para a ilha Graciosa, promovido pela empresa alemã Younicos.

Em 2012, espera-se que a ilha tenha como principal recurso energético as energias solar e eólica. A empresa alemã vai aproveitar este projecto para testar novas tecnologias, especialmente ao nível do armazenamento de energia de fonte renovável em baterias.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 20:01

Junho 02 2011

O maior parque eólico dos Açores, que está a ser construído no planalto do Graminhais, em S. Miguel, deve entrar em produção em setembro, com uma potência instalada de 9 megawatts (MW), anunciou hoje o diretor regional de Energia.

 

A implantação do novo parque eólico, com capacidade para garantir cerca de 10 por cento das necessidades de consumo de eletricidade da maior ilha açoriana, integra-se no plano de aproveitamento de energias renováveis no arquipélago, que hoje foi apresentado a um grupo de estudantes na Central Geotérmica do Pico Vermelho.

O diretor regional de Energia, em declarações à Lusa à margem desta iniciativa integrada nas comemorações do Dia Mundial do Ambiente, revelou ainda que, até ao final do ano, deverá estar concluído o projeto que permitirá duplicar para 9 MW a potência instalada no parque eólico da Serra do Cume, na Terceira.

fonte:Diário Digital / Lusa 

 

publicado por adm às 22:40

pesquisar
 
links