Energia Eolica

Agosto 05 2010

O consórcio Ventinveste vai investir 500 milhões de euros e criar mais de 1300  empregos para produzir 400 Mw de energia.

O primeiro parque eólico da Galp e da Martifer, no consórcio Ventinveste, vai começar a ser construído ainda este mês, devendo estar concluído em meados do próximo ano. Neste primeiro parque, em Arganil, a Ventiveste tem a seu cargo a produção de uma potência de 10 megawatts (Mw), num investimento estimado em 16 milhões de euros. Mas no total das licenças atribuídas ao consórcio - de 400 Mw -, o projecto deverá rondar os 500 milhões de euros e criar mais de 1300 postos de trabalho.

O investimento daquele consórcio insere-se no plano energético traçado pelo anterior Governo, que em 2005 lançou os concursos para as energias eólicas, com o objectivo de praticamente duplicar a energia produzida por esta via para os 2 mil Mw, em três fases. A segunda fase do plano corresponde ao concurso ganho em 2007 pela Ventinveste, sendo que o primeiro foi adjudicado à EDP. Esta fase compreende não apenas a criação de uma potência de 400 Mw, mas de mais100 Mw para reserva e mais 20% de sobrecapacidade.

O início das obras estava previsto para mais cedo, mas obstáculos de ordem ambiental - levantados por organizações ecologistas - contribuíram para o seu adiamento.

De acordo com o projecto aprovado, os 400 Mw atribuídos à Vestinveste deverão ser distribuídos por sete parques eólicos com uma capacidade instalada que varia entre os 10 e o 172 Mw. Estes estão maioritariamente localizados na zona centro do País.

O parque eólico de Vale Grande, que está perto de arrancar no terreno, vai utilizar equipamento produzido nas unidades industriais do cluster desenvolvido pela Ventinveste, nos distritos de Aveiro, Viseu e Porto. Segundo a empresa, "os aerogeradores a utilizar pela Ventinveste são produzidos praticamente na totalidade em território nacional, dando origem a um cluster industrial português". Precisando melhor, as pás e nacelles são construídas na unidade da Repower em Oliveira de Frades, as torres pela Martifer e os conversores, transformadores e geradores, pela Efacec.

Todas aquelas unidades já estão em laboração, à excepção da unidade para as construção das pás, que estará concluída em Setembro. Por licenciar estão ainda os parques do Douro Sul e São Bento. Do consórcio fazem também parte a Repower e a Efacec. 

Por: Carla Aguiar


DN

publicado por adm às 22:29

pesquisar
 
links
subscrever feeds