Energia Eolica

Junho 11 2011

O Parque Eólico de Monte São Filipe, na Cidade da Praia, com uma potência instalada de 10 «megawatts» (MW), deverá começar a funcionar em agosto, anunciou hoje o diretor-geral da Energia de Cabo Verde.

Segundo Abraão Lopes, as ferramentas essenciais para a montagem do parque no Monte de São Filipe, que representa um investimento de 16 milhões de euros já estão no país, acrescentando que o parque, representará cerca de 25 por cento do total da produção do país.

Abraão Lopes, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Porto da Cidade da Praia para receber os 11 novos aerogeradores, salientou que o parque vai produzir cerca de 110 «gigawatts» (GW) de energia por ano.

"Os aerogeradores vão instalar cerca de 10 «megawatts» (MW) de potência nominal na cidade, o que significa uma composição muito grande em termos de capacidade instalada", referiu, lembrando que o projeto prevê a construção de parques idênticos nas ilhas de São Vicente (6 MW), Sal (8 MW) e Boavista (2,4 MW).

O Parque Eólico a ser instalado na Praia é cofinanciado pelo Governo de Cabo Verde, Electra, InfraCo, Finnfund, BAD e BEI.

O custo do projeto global a ser instalado nas ilhas de Santiago, São Vicente, Sal e Boavista ronda os 63 milhões de euros, e contribuirá, segundo os responsáveis, para uma potência a ser instalada à volta de 28 MW, o que significa uma taxa de penetração das energias renováveis na rede elétrica nacional de mais de 25 por cento.

fonte:http://sicnoticias.sapo.pt/L

publicado por adm às 21:28

Maio 05 2011

A capacidade instalada de energia eólica no mundo aumentou em 23% no primeiro trimestre de 2009, quando comparado com o mesmo período de 2008, refletindo uma desaceleração na expansão desta tecnologia, anunciou a Associação Mundial de Energia Eólica (WWEA, sigla em inglês) durante a 8ª Conferência Mundial da Energia Eólica, realizada na Coreia do Sul. O dado foi baseado nos números disponibilizados por 11 países, que representam 80% do mercado mundial de energia eólica. Segundo a entidade, a redução se deu por questões burocráticas e legais, surgidas em nível local e regional, que emperraram os novos projetos. A WWEA disse ainda que apesar da crise financeira internacional, a disponibilidade de financiamento para o setor não diminuiu. A associação calculou um aumento de 5.374MW na capacidade instalada no mundo, nos primeiros três meses de 2009, o que levou a WWEA a manter a projeção de expansão do mercado em 25% no ano de 2009. Isto é inferior ao crescimento de 2008 comparado com 2007, que tinha sido de 30%.

fonte:http://www.revistasustentabilidade.com.br/

publicado por adm às 22:44

Abril 12 2011

O consórcio ENEOP está com dificuldades em conseguir fechar uma tranche de 450 milhões de euros para o financiamento de novos parques eólicos a serem instalados este ano. A notícia é avançada hoje pelo Jornal de Negócios, que afirma que a verba necessária está a ser suportada com capitais próprios dos accionistas.

A crise económica do país está a dificultar o financiamento bancário dos projectos, depois da ENEOP ter conseguido, em 2009, o segundo maior “project finance” do sector energético, com um financiamento de 510 milhões de euros.

Os capitais dos accionistas – EDP Renováveis, Enel Green Power, Generg e Sonae Capital – estão a permitir que a instalação de parques continue. No total, o consórcio pretende instalar 1 200 megawatts (MW) de potência eólica em Portugal, que correspondem a um investimento de 1,6 mil milhões de euros. Desse valor, 1,2 mil milhões de euros deveriam ser financiados pela banca. Não obstante, a Eneop quer fechar o ano com uma produção de electricidade de mais de 800 MW.

fonte:http://www.ambienteonline.pt/

publicado por adm às 22:31

Dezembro 28 2010

A Martifer Renováveis estabeleceu uma joint venture (JV) com o Banco Santander Brasil para o desenvolvimento de quatro parques eólicos, que totalizam 90,3 MW, no Nordeste do país, anunciou o grupo português em comunicado.

Dois dos quatro parques serão instalados no Ceará (em Trairí e Amontada) e os restantes no Rio Grande do Norte (em Areia Branca). A construção dos parques está já em fase de arranque estando previsto iniciar a produção de energia até Julho de 2012.

Os 90,3 MW fazem parte do lote de parques eólicos assegurados no leitão de energia no Brasil (Energia Eólica A-3) de Dezembro de 2009.

«A Martifer tem acumulado experiência no desenvolvimento de parques eólicos (97 MW) em vários países, incluindo o Brasil onde tem já 14 MW de capacidade instalada», sublinha o comunicado.

fonte:agenciafinanceira

publicado por adm às 00:46

Agosto 17 2010

O Ministério do Ambiente aprovou, nos últimos cinco anos, a quase totalidade dos projetos apresentados por empresas para construção de parques eólicos em Portugal, o que se traduzirá em 2409 megawatts de potência produzida através de energia renovável.

 

"Nos últimos cinco anos o Ministério do Ambiente aprovou mais de 92 por cento [92,39 por cento] dos parques eólicos que foram objeto de Avaliação de Impacte Ambiental", declarou a ministra hoje, dia em que foi emitida a Declaração de Impacte Ambiental para o parque eólico do Guardão, em Tondela.

 

Dulce Pássaro sublinhou que "o sector das eólicas é uma aposta que veio para ficar", não só pelos seus benefícios ambientais, mas também como contributo para "a economia nacional, que neste momento está a exportar energia, bem como aerogeradores e torres produzidos em Portugal".

publicado por adm às 00:38

Maio 29 2010

Foi detectado em algumas centenas deaerogeradores offshore uma falha de projecto na estrutura das torres. Este defeito permite que as torres se movimentem e deslizem das suas respectivas bases.

Os fabricantes dos aerogeradores e os Operadores dos Parques Eólicos acreditam que encontrar uma solução poderá levar alguns meses e um custo associado de milhões de euros.

O fabricante de aerogeradores SuecoVattenfall está igualmente investigando três dos Parques Eólicos OffShore, mas recusa-se a comentar sobre o tempo e custos envolvidos nas inspecções.

O problema com os aerogeradores envolve as torres construídas usando reboco, que é uma mistura do cimento, da areia e de cascalho, para unir os aerogeradores à sua base.

Nos piores casos as super-estruturas dos aerogeradores terá hipoteticamente sofrido um movimento de alguns centimetros relativamente à sua base, após a sua instalação.

Este é um problema geral e está relacionado ao projecto industrial e não esteja afectando apenas um modelo particular. Entretanto, não são esperados atrasos em novos projectos nem uma paragem na produção onde este problema foi detectado.

fonte:www.portal-energia.com

publicado por adm às 22:47

Abril 14 2010

A Ásia deverá ultrapassar a Europa como maior produtor mundial de energia eólica em 2014, fruto das instalações de nova potência que já estão a ser feitas, sobretudo na China, revelam as mais recentes previsões do Global Wind Energy Council (GWEC).

Em 2009 a Ásia já foi a região com maior potência eólica adicionada, tendo os seus 15,4 gigawatts (GW) de nova capacidade superado os 10,5 GW da Europa e os 10,9 GW da América do Norte.

Ora, nas previsões a cinco anos, o GWEC aponta para 2013 o momento em que a Ásia alcançará a potência instalada na Europa, prevista para 122 GW. E em 2014 o continente asiático deverá atingir uma potência eólica acumulada de 148,8 GW, ultrapassando os 136,5 GW estimados para a Europa.

Os parques eólicos asiáticos darão o maior contributo para o crescimento deste negócio à escala global. A associação eólica mundial prevê que a capacidade total do planeta de geração de energia a partir do vento poderá passar dos 158,5 GW instalados no final de 2009 para 409 GW em 2014.

No “ranking” mundial de potência eólica a República Popular da China lidera as novas instalações feitas em 2009, com 13,8 GW estimados, seguida dos Estados Unidos da América (EUA), com 9,9 GW. Espanha e Alemanha vêm logo a seguir, com 2,5 e 1,9 GW, respectivamente.

Portugal no top 10

Portugal figura como o décimo mercado mundial que no ano passado mais potência eólica adicionou: o GWEC indica que em território luso foram acrescentados à rede parques com 673 megawatts (MW). Da lista dos dez mercados com maiores potências adicionadas em 2009 fazem parte também a Índia, Itália, França, Reino Unido e Canadá.

O GWEC indica que em termos acumulados os EUA lideram o mapa mundial de aerogeradores em operação, com 35 GW de potência, seguidos pela China, com 25,8 GW, e só depois pela Alemanha, com 25,7 GW. Portugal ocupa a nona posição entre os países com maior potência eólica instalada, atrás de Espanha, Itália, França, Índia e Reino Unido, mas à frente da Dinamarca, país que tem uma forte tradição no fabrico de aerogeradores.

Entre os dez maiores mercados de energia eólica do mundo a EDP Renováveis já está presente (ou anunciou que marcará presença) em seis, nomeadamente Portugal, Espanha, França, Itália, Reino Unido e EUA. Mas para a Ásia, o mercado com maior crescimento previsto para os próximos anos, a empresa do grupo EDP ainda não avançou.

Fonte:www.jornaldenegocios.pt

publicado por adm às 23:24

pesquisar
 
links